Buenos Aires : Primeiras impressões

Cidade bem arborizada, Buenos Aires é uma cidade metropolitana bem convidativa. Andando pelas ruas argentinas, você vai encontrar com várias pessoas caminhando com seu cachorrinho e até mesmo profissionais qual a função é levar os vários cachorros que estão sob seu cuidado para passear.

Buenos Aires

Os hermanos podem ser mais receptivos do que imaginamos. Logo na minha chegada no aeroporto, fui até o ponto de ônibus para seguir em direção ao hostel. O que eu não sabia é que não se pode pagar a passagem em dinheiro. A passagem é paga através do cartão de transporte chamado Sube. Ao fazer a cara de interrogação ao motorista e tentar explicar usando meu portunhol ‘super’ afiado, ele simplesmente nos mandou pra dentro do busão e não cobrou um tostão.

»» Mochilão na América do Sul : Dicas de roteiro

Transporte Público

Construções de Buenos Aires

O transporte público é bom. Tem ar condicionado e a passagem é barata . O que atrapalha o ônibus é o trânsito. Aliás, o trânsito é horrível e lembra um pouco São Paulo. Meio desorganizado, carros se cruzando, buzinas, gente estressada. E muito, muitos carros.

O cartão custa 25 pesos argentinos. Comprei no dia seguinte e recarreguei com 75 pesos, o que da mais ou menos 10 passagens. Você pode comprar o cartão Sube em qualquer lotérica.

O metrô utilizei apenas uma vez. Eu não sei se era hora de pico, mas lata de atum define bastante a viagem que fiz desde a Casa Rosa até Palermo. Além de ficar todos apertados, você precisa aguentar o calor e se retorcer pra ficar perto de uma janela, que é onde entra aquele ‘arzinho’ durante a corrida.

Utilizei Uber algumas vezes. A média de corrida ficava em 80 pesos. Mas o preço é bem concorrido com o do táxi. Uma vez utilizei Uber pra ir em uma tal de feirinha de Natal. Foi bem rápido e eficiente, custou 80 pesos. Na volta peguei um táxi, que ficou 73 pesos mas como só tinha nota de 100 e ele não tinha troco, ficou em 50 pesos. Mas o que sempre faço é negociar antes de entrar no taxi.

»»10 países para viajar sem visto

Hospedagem

Fiquei hospedada no Hostel 7030 em Palermo, região cheia de barzinhos de Buenos Aires. Pra falar bem a verdade, as fotos do Booking elevam muito sua expectativa em relação a realidade. O hostel é bem limpo e organizado. O que deixou a desejar um pouco foi a questão da triliche. Eu como todos os meus 1.53 metros de altura tive que ficar lá em cima. Era quase uma escalada para chegar até lá. Outro ponto que foi bem ruim foi o fato do quarto ter 9 pessoas e um ventilador bem cansado que não conseguia dar conta do calor de dezembro resultando num ambiente bem abafado e mal arejado.

Hostel 70 30
Hostel 70 30

Ah, não tem tomada por cama. Então você precisa achar por ali pelo quarto uma tomadinha ou um ‘T’ pra carregar seu celular.

O banheiro e ducha das meninas ficava no andar de baixo. Café da manhã não era incluso e se custava 40 pesos. Tinha café, suco, leite, chocolate em pó, uma fruta por pessoa, pãozinho integral (muito gostoso) e normal.

O barzinho do hostel apenas abre de sexta a domingo. Mas o hostel fica bem localizado, perto de mercados, bares e restaurantes. Bem no coração de Palermo.

Restaurantes

Heisenburger
Heisenburger

Comi um lanche incrível no Heisenburger. Talvez foi devido a fome a cansaço de andar por 1 hora procurando um restaurante que aceitasse meu cartão pré-pago da Confidence. A maioria apenas aceita cartões da bandeira Visa, e o meu cartão é Mastercard. No final das contas acabou valendo a pena porque o lanche é enorme, tanto que comi só metade. Vem acompanhado com batata rústica bem apetitosa. Pedi uma cerveja avermelhada que eu infelizmente esqueci o nome, mas o gosto era meio amarga e meio doce. Uma delícia. Sem contar que a decoração do bar/restaurante era todo ao estilo ‘Breaking Bad‘.

»» Seguro de Viagem Internacional – Você sabe como funciona?

Conhecendo Buenos Aires

Galerias Pacífico
Galerias Pacífico

Meu planejamento inicial era conhecer os pontos principais de Buenos Aires em apenas um dia. Esse plano foi por água abaixo quando percebi o quão difícil é a locomoção em Buenos Aires por conta do trânsito. A ideia inicial era pegar o ônibus do Jardim Japonês e ir até o Caminito. O que era para demorar cerca de 30 minutos, levou quase 2 horas que foi quando eu desisti e acabei encurtando o passeio para o “final” do planejamento que era ao redor da Plaza de Mayo.

Para evitar qualquer transtorno do tipo, reserve ao menos 2 dias para visitar Buenos Aires. O trânsito as vezes pode acabar atrapalhando todo seu planejamento.

Deixe um comentário