Conta bancária americana

Como abrir e manter uma conta bancária nos EUA

Abrir uma conta bancária é essencial para quem está migrando para os Estados Unidos, seja a trabalho ou a estudo. Ou as vezes, até mesmo para turismo.

As quatro maiores redes bancárias americanas são Bank of America, Chase, Citi Bank e Wells Fargo. Eu particularmente não abri minha conta bancária em nenhum destes bancos. Na primeira vez, abri em um banco que ficava bem na frente do hotel onde eu trabalhava. Depois, abri uma conta no Altura Credit Union. Este banco é ótimo para quem está a procura de administrar melhor seu dinheiro, porém é muito pequeno. Só existe agência em Riverside e em Rancho Mirage, na Califórnia.

»» Opções de trabalho nos Estados Unidos



Documentos necessários para abrir uma conta bancária

  • Passaporte
  • Carta matrícula da universidade/Carta do seu empregador
  • Quantia necessária em dinheiro para o primeiro depósito (geralmente de 20 a 50 dólares)
  • Segundo documento de identificação (carta de motorista, CPF, RG)
  • Documentos que comprovem o seu visto (Visa F-1, J-1, HB1)
  • Social Security Number

Conta Corrente e Poupança

Ao abrir sua conta bancária americana, é provável que o agente pergunte se quer dividir seu dinheiro em checking e saving accounts.

Checking account é a conta corrente para depósitos, onde o seu dinheiro será sacado e também na qual suas compras feitas pelo cartão serão debitadas.

Saving account é a conta poupança, que serve para você criar uma reserva.

»» Principais motivos que ocasionam o visto negado

Débito, Crédito e Cheque

Após abrir sua conta bancária, você receberá um cartão de débito e também pode solicitar pelo talão de cheques (menos usado atualmente).

O cartão de crédito é algo muito restrito nos EUA. Para conseguir, é preciso criar um histórico de transações bancárias de aproximadamente 2 anos. E neste período, nunca deixar sua conta negativa e também jamais dever para nenhum lugar. Vale lembrar também, que nos EUA não é possível realizar compras parceladas.

Limite de Conta

Atente-se a um detalhe na hora de fazer a sua conta bancária: o limite. Se você ultrapassar a quantia de dinheiro que tem depositada poderá acontecer de duas uma:

  • Quando você está prestes a ultrapassar o seu limite, o seu cartão é bloqueado, impossibilitando transações na conta ou saques.
  • Se você ficar no negativo, não importa quanto, deverá pagar uma quantia extra para o banco, que costuma ser bem salgada (uns U$200).

»» Visto americano : Dicas para a entrevista no consulado

Alguns bancos deixam o cliente escolher qual melhor opção para o seu limite. Outros trabalham com apenas uma destas opções. Por isso é muito importante checar esta informação na hora de criar a conta para não ter problemas com os seus gastos.

TOEFL e IELTS

TOEFL e IELTS – Qual é a diferença e qual escolher?

Já ouviram falar em TOEFL e IELTS?

Parece bobo né ?! Mais na realidade esse “papel” é essencial para quem tem o sonho de estudar em uma universidade no exterior ou trabalhar fora das terras brasileiras.TOEFL (Test of English as a Foreing Language) e IELTS (International English Language Testing System) são basicamente um “papel” que informa oficialmente e internacionalmente qual é seu nível de inglês.

O que é o meu caso =)
Tenho planos de migrar para outros país, de preferência para os States.
Então para isso, vou ter que fazer a bendita prova !



Qual é a diferença entre TOEFL e IELTS qual é a melhor?

Os testes TOEFL e IELTS possuem formatos diferentes. Mas em algumas situações, infelizmente você não poderá escolher qual das duas provas fazer e terá que se contentar em estudar para o formato escolhido.

A diferença é que o TOELF tem tarefas integradas (integram duas tarefas diferentes em uma, tipo ler e ouvir uma passagem a respeito da pergunta) enquanto isso não ocorre no IELTS. Além disso, dizem que o TOEFL possuem testes com inglês americano, enquanto o IELTS é inglês britânico.

As perguntas do TOEFLS geralmente são de multipla escolha, com questões para completar o texto com a melhor palavra e ordenar as respostas com a passagem lida. E no IELTS as questões são divididas em respostas escritas, múltipla escolha e verdadeira ou falso.

Veja só como são realizadas as seções:

– Reading (compreensão de texto):

  • TOEFL – varia de 60 a 100 minutos
  • IELTS – 3 passagens no total de 60 minutos (não varia)

 

– Talking (parte oral):

 

  • TOEFL – a prova é realizada no computador, onde você grava as respostas. As primeiras perguntas são fáceis e as demais são no estilo acadêmico. Varia de 45/60 segundos com 6 tarefas.
  • IELTS – a entrevista é feita com um entrevistador que realiza 3 tipos de perguntas, primeiramente fáceis de ordem geral, depois você recebe um cartão com uma pergunta e deve preparar uma resposta que dure 2 minutos e por último uma pequena discussão com o entrevistador sobre o tópico de escolha. A prova tem duração de 30 minutos.

 

– Listening (compreensão de áudio):

 

  • TOEFL – a prova é realizada pelo computador, onde você grava suas respostas. Primeiramente se escuta a pergunta e pode tomar notas, em seguida a pergunta aparece na tela do computador e responde-se a questão de múltipla escolha. Duração de 40 a 60 minutos.

 

  • IELTS – você ouve a pergunta e escreve a resposta ao mesmo tempo. Há também perguntas tipo complete a frase, ligue as colunas e de múltipla escolha. Duração de 30 minutos.

 

– Writing (parte escrita):

 

  • TOEFL – deve-se escrever 2 redações sendo cada uma com duração de 30 minutos. Uma das redações é simples e pede a sua opinião sobre o assunto escolhido, e a outra pode ser integrada com um texto para ler ou um áudio.

 

  • IELTS – deve-se escrever uma redação com duração de 40 minutos, que é baseada em um gráfico, tabela ou mapa.

 

Duração total de cada teste:

 

  • TOEFL – cerca de 4 horas
  • IELTS – 2 horas

Enfim, essa é mais ou menos a diferença das duas provas, porém a melhor ai acredito de depende de cada um. Para escolher entre TOEFL e IELTS, é preciso analisar o estilo de prova de cada uma levando em consideração o tipo de inglês usado, tipos de perguntas realizadas e o que você acha que poderia ser melhor para seu perfil!

Pra mim, acredito que o TOEFL seria mais fácil pelo tipo de inglês americano que estou mais acostumada.

E o seu, qual seria – TOEFL ou IELTS?

Good Lucky!

Atitudes que dificultam aprender inglês no intercâmbio

Atitudes que atrapalham o aprendizado do inglês no intercâmbio

Você sabia que existem várias atitudes que podem atrapalhar seu aprendizado do inglês no intercâmbio? Talvez você até conheça, ou já ouviu falar, alguém que estudou no exterior por meses – ou até mesmo anos – e ainda tem aquele inglês arranhado. Isso pode mesmo acontecer. No intercâmbio, muitos estudantes persistem em falar em português para se comunicar com colegas e não levam muito a sério o estudo, tirando totalmente o foco do aprendizado de um novo idioma.



Inglês no Intercâmbio – Atitudes que atrapalham

Limitar o estudo à sala de aula

O desenvolvimento das habilidades de comunicação é gradual, porém é inválido se estiver limitado ao tempo com o professor na sala de aula. Se das 24 horas de um dia, apenas 3 horas forem dedicadas ao idioma, o processo de aprendizagem será muito lento. Isso sem falar dos finais de semana. O contato com o outro idioma durante o intercâmbio deve ser continuo e intenso.

♣ Quanto tempo é preciso para aprender inglês ?

Falar em português

Eu morei com 4 brasileiros e 1 argentina durante meu intercâmbio nos EUA. Comunicar em português dentro do apartamento, ou sempre que nos encontrávamos, era inevitável. Por isso, procurei fazer amizades com os americanos no trabalho, e com isso sempre os chamava para festas no apartamento ou para sair num barzinho ou balada. Isso nos forçava sempre a falar inglês.

Duvidar da própria capacidade

Cada intercambista tem uma habilidade diferente no outro idioma. Alguns tem maior facilidade na fala, outros na escrita. No intercâmbio, cometer erros é essencial para o aprendizado. Por isso, não se intimide ou ache que não é capaz de aprender. Com esforço todos nós aprendemos.

♣ TOEFL e IELTS – Qual é a diferença e qual escolher ?

Não estar aberto ao novo

Ir para o exterior e manter a mente no Brasil. Isso é algo muito comum com intercambistas que sentem dificuldade a se adaptar a uma nova cultura, e procuram ao máximo se manter conectado com o Brasil. Diferenciar as experiências e fazer novas amizades é algo diferencial para sua experiência no exterior. Além de poder fazer amigos para a vida toda, seu processo de aprendizado irá aumentar.

Achar que no intercâmbio o aprendizado acontece naturalmente

Tenho uma amiga mexicana que mora na Califórnia há mais de 20 anos, e ela meramente sabe o inglês básico. Isso porque para aprender um novo idioma você precisa se dedicar, errar e persistir. Frequentar as aulas, estudar em casa e se aprofundar na cultura local é o que irá facilitar seu aprendizado.

Créditos a Catraca Livre e Commons Wikipedia

Estudar no Exterior - Países oferecem cursos gratuitos para graduação e pós graduação

Estudar no Exterior – Graduação e pós-graduação de graça na Europa

Estudar no exterior é o tema mais procurado nas agências de intercâmbio pelos brasileiros. Porém, os altos custos em relação ao curso e despesas extras acaba levando a desistência. Principalmente quando se trata de um curso de graduação e pós-graduação. Nos EUA o custo médio entre o curso de graduação e custo de vida é de US$ 65 mil por ano.



Já pensou estudar no exterior de graça?

Uma boa alternativa para estudar no exterior é procurar destinos alternativos. Alguns países da Europa oferecem cursos de graduação e pós-graduação gratuitos, ou quase.

»» Working Holiday na Nova Zelândia

Alemanha

Na Alemanha existem várias universidades públicas de renome internacional, e algumas delas são financiadas pelo governo. Se você não sabe nada da língua alemã, não se preocupe. Não é necessário saber falar alemão para estudar no país. O país oferece cerca de 900 cursos de graduação e pós-graduação que são ministrados em inglês. As opções de cursos são bastante abrangentes, que vão de engenharia a ciências sociais.

Suécia

Existem 35 universidades espalhadas pela Suécia que oferecem mais de 900 cursos ministrados em inglês. É preciso pagar somente uma taxa da matrícula para ingressar nos cursos. Para doutorado, os estudantes estão isentos da taxa de matricula.

Finlândia

A Finlândia oferece também vários programas universitários ministrados em inglês. O país não cobra taxas de matrículas e nem de mensalidade para cursos de graduação e pós-graduação. Porém, o governo finlandês exige que estudantes internacionais tenha condições para arcar com despesas pessoais. A Finlândia financia a educação, mas despesas de hospedagem e alimentação são por conta do aluno.

»» Faça MBA no exterior

França

Os cursos de graduação ministrados em inglês da França são geralmente oferecidos por universidades particulares, assim o curso é muito alto. Mas existem cursos para pós-graduação que são mais acessíveis. Você pode conferir uma lista destes cursos disponíveis no país através do site Study Portals. Existe ainda a possibilidade de realizar um curso em francês em uma universidade pública, tendo o estudante que desembolsar uma pequena mensalidade – cerca de 200 dólares por mês.

Noruega

A Noruega possui um ensino superior diferenciado. Eles possuem um sistema que prioriza menores turmas, facilitando o aprendizado. O país oferece cursos ministrados em inglês, e não cobram taxas de estudantes estrangeiros. Vale lembrar que a Noruega possui um curso de vida muito alto, um dos maiores do mundo. O inverno norueguês também é muito rigoroso. Portanto, é melhor se preparar para enfrentar um clima bem diferente do brasileiro.

»» Work and Travel nos Estados Unidos

Eslovênia

O país oferece cerca de 150 programas que são totalmente em inglês. Além disso, estudantes internacionais pagam apenas uma taxa de matrícula simbólica.

Estudar no exterior pode não ser tão caro assim. Pesquise, analise e escolhe a melhor opção para você.

MBA no exterior

MBA no Exterior : Por onde começar

Quando se pensa em pós-graduação no exterior, o primeiro curso que costuma vir à cabeça dos brasileiros é  fazer MBA no exterior, ou Mestrado em Administração de Negócios. MBA no exterior é, de fato, o programa mais conhecido no país e pode ser uma excelente opção para quem pretende mudar de carreira – sair de um banco e ir para a indústria, por exemplo – ou alavancar sua carreira dentro do próprio segmento, buscando uma visão mais ampla e estratégica de negócios.



Fazer MBA no exterior em uma escola renomada é quase como um “carimbo de qualidade” no currículo de um profissional, que passa a ter reconhecimento nacional e internacional. No entanto, para realizar um MBA é necessário um investimento alto de tempo e dinheiro – em geral, são dois anos de dedicação integral ao programa, cujo custo, nos EUA, pode chegar a até 180.000 dólares (incluindo mensalidades e gastos pessoais do aluno com moradia, alimentação, etc).

Antes de tomar tal decisão, é preciso cautela e muita reflexão. O curso pode não ser o mais indicado para o seu perfil, suas ambições de carreira ou atual momento de vida.

Como planejar seu MBA no Exterior

Palm Springs, Califórnia
Palm Springs, Califórnia

Neste especial, produzido pelo Estudar Fora, você terá acesso a conteúdos para te ajudar a planejar essa experiência. No manual você vai encontrar várias dicas, incluindo:

1. O que levar em consideração na hora de decidir se deve cursar MBA fora;
2. As várias metodologias de ensino adotadas pelas escolas estrangeiras e diferenças para os cursos oferecidos no Brasil;
3. Como escolher a melhor universidade para você;
4. Como funcionam as etapas do processo de candidatura (application);
5. Depoimentos de estudantes aprovados em algumas das melhores escolas;
6. Como planejar-se financeiramente para a experiência e onde conseguir apoio.

Acesse o manual de MBA disponibilizado pelo Estudar Fora !